Saúde intestinal e seu período menstrual

Saúde intestinal e seu período menstrual

“Como estão seus movimentos intestinais?” Sabia que nossa saúde intestinal é um componente vital para nossa saúde hormonal? A conexão do hormônio intestinal é real.

Nossos micróbios intestinais são absolutamente incríveis e, em adultos saudáveis, existem mais de 100 TRILHÕES de células microbianas vivendo no intestino! De qualquer forma, esses insetos intestinais são nossos amigos, não inimigos.

 

Quais são os sintomas de um intestino saudável?

Imagine-se em uma selva por um minuto e pense em todos os diferentes animais e plantas e como todos eles têm um propósito, até as cobras e mosquitos. Os ecossistemas prosperam com a diversidade equilibrada e não é diferente para o nosso microbioma intestinal.

 

Dentro de nós, existem de “300 a mais de 1.000 espécies diferentes de bactérias (das 15.000 a 36.000 existentes)” (Bulsiewicz, 2020, 6). Quando não temos diversidade intestinal, o resultado é um desequilíbrio conhecido como disbiose, e nossa imunidade, metabolismo, humor e ciclos menstruais são afetados.

 

A disbiose é essencialmente quando as bactérias ruins superam as bactérias boas em nosso intestino. Como você sabe se você tem um desequilíbrio bacteriano? Os sintomas intestinais e extraintestinais (fora do intestino) estão listados abaixo. Imprima isso e marque seus sintomas e, enquanto trabalha para melhorar sua saúde intestinal, reavalie periodicamente seus sintomas.

 

Avaliação da saúde intestinal

  • Dor abdominal/cólicas
  • Gás
  • Inchaço/distensão abdominal
  • Sensibilidades alimentares
  • Alergias a comida
  • Diarreia
  • Prisão de ventre
  • Muco nas fezes
  • Fezes com mau cheiro
  • Náusea
  • Indigestão
  • Azia/refluxo
  • Arroto imediatamente após uma refeição
  • Ganho de peso inexplicável
  • Fadiga inexplicável
  • Confusão mental
  • Dificuldade de concentração
  • Desequilíbrios de humor
  • Ansiedade
  • Erupções cutâneas (eczema, acne, urticária)
  • Dores nas articulações ou dores musculares
  • Fraqueza
  • Desequilíbrios hormonais

 

A saúde intestinal afeta os hormônios?

O intestino está profundamente envolvido no equilíbrio hormonal, e um intestino saudável = hormônios saudáveis. A disbiose intestinal pode desempenhar um papel importante nos níveis de estrogênio mal gerenciados. 

 

O estroboloma

Deixe-me apresentá-lo ao estroboloma! O estroboloma (estrogênio + microbioma) hospeda micróbios intestinais específicos que secretam uma enzima conhecida como beta-glucuronidase. Como diria Cachinhos Dourados, a beta-glucuronidase mantém os níveis de estrogênio cetinhos para manter nossa pele limpa, períodos poderosos e libido tinindo.

Se você luta contra a disbiose intestinal, seu estroboloma converterá ou absorverá o estrogênio de maneira inadequada. Alto estrogênio pode causar acne, dor nos seios, baixo desejo sexual, menstruação intensa, ansiedade, depressão e efeitos a longo prazo, como miomas uterinos e câncer de mama.

 

Por outro lado, o baixo estrogênio leva a problemas de sono, alterações de humor, secura vaginal, infecções do trato urinário, baixa libido e perda de densidade óssea (o estroboloma). Além disso, como o estrogênio desempenha um papel vital em vários sistemas em todo o corpo, um estroboloma disfuncional também “impacta doenças cardiovasculares, síndrome metabólica, função cognitiva, incluindo um declínio na memória e cânceres relacionados ao estrogênio, incluindo endométrio, cervical, ovário e mama. câncer” (The Estrobolme: The Fascinating Way Your Gut Impacts Your Estrogen Levels, sd).

 

 

Minha saúde intestinal pode afetar meu período?

Cada pessa que menstrua tem um período único e um microbioma intestinal único. Quando nosso microbioma intestinal está equilibrado, você deve ter uma, ouso dizer, uma experiência de menstruação agradável. Sim, nossos períodos podem ser agradáveis, e o estroboloma do nosso intestino tem um papel enorme em tornar isso realidade.

 

Se você se lembrar, a beta-glicuronidase é secretada pelo estroboloma para controlar os níveis de estrogênio e, se você tiver baixa diversidade microbiana, seu estroboloma converte ou absorve o estrogênio de maneira inadequada. Se o estrogênio estiver muito alto, você pode ter períodos mais pesados, mais escuros e mais dolorosos; você também pode notar mais coágulos (maiores que um centavo) em seu fluido menstrual.

 Se o estrogênio estiver muito baixo, você pode notar uma quantidade muito escassa de fluido menstrual (menos de 25 ml ou sangramento por menos de 3 dias). A cor do seu sangue menstrual também pode ser afetada pelos níveis de estrogênio; níveis mais altos de estrogênio podem levar a uma cor violeta mais escura, e estrogênio mais baixo pode resultar em uma cor rosa muito clara.

O que atrapalha o equilíbrio intestinal?

Vivemos em uma cultura que não é muito propícia ao equilíbrio intestinal, e a verdade é que a maioria das pessoas que vivem no mundo ocidental tem algum nível de ruptura intestinal. Muitos fatores de estilo de vida e dieta afetam nosso equilíbrio intestinal, como:

 

  • Alimentos processados
  • Álcool
  • Estresse
  • Perturbações do sono
  • Falta de exercício
  • Toxinas ambientais
  • Certos medicamentos (pílula anticoncepcional e antibióticos, por exemplo).

Esses fatores podem se acumular e causar estragos em nossas entranhas.

 Como corrigir a saúde intestinal

Eu quero que cada um de vocês experimente a felicidade do microbioma ... sem mais inchaço, constipação, fezes moles, gases, dor ou caos hormonal!

 Melhorar sua saúde intestinal não precisa ser difícil, mas se você luta com problemas crônicos de saúde intestinal, aconselho a trabalhar com um nutricionista especializado em saúde / hormônios femininos.  Os primeiros passos fáceis estão listados abaixo.

 

  1. Coma para melhorar a saúde intestinal

Eu gostaria de poder lhe contar um superalimento que curaria seu intestino em questão de segundos, mas infelizmente esse não é o caso. Eu poderia te dizer que a couve é um superalimento, e se tudo que você comesse fosse couve, você seria incrivelmente insalubre. A verdadeira magia acontece quando diversificamos!

 

A diversidade em sua dieta é a chave para uma cultura microbiana saudável. Fato aleatório: Existem mais de 300.000 plantas na Terra, então por que não aproveitar toda essa diversidade de plantas? 

 

  1. Fruta 
  2. Verdes + Grãos
  3. Super Sementes Ômega-3
  4. Aromáticos (cebola, alho)
  5. Leguminosas
  6. Sulforafano (vegetais crucíferos), Cogumelos, Algas Marinhas

Fruta 

Até 2 porções/dia de uma porção de frutas vermelhas (1 xícara) + 1 porção (1 xícara) de outra fruta ou 2 porções de frutas vermelhas. 

 

Verdes + Grãos

2 porções/dia de verduras: couve, couve, espinafre, rúcula, alface

Dica profissional: “Cozinhe suas verduras no vapor para melhorar a atividade de ligação do sal biliar! Isso ajuda a proteger contra o câncer, especificamente câncer de cólon e fígado ”(Bulsiewicz, 2020, 157)

1 porção (1 xícara) de grãos/dia: arroz integral, trigo sarraceno, milheto, aveia, quinoa, arroz vermelho/rosa/preto, arroz selvagem

 

Super Sementes Ômega-3

3-4 porções/semana; 1 porção = ¼ xícara de sementes de sementes: chia, linho, cânhamo, abóbora, gergelim, girassol, tahine. Dica profissional: compre linhaça moída ou triture em casa; moído é mais absorvível! Leve à geladeira para manter o frescor.

Aromáticos + ervas e especiarias

Inclua 3 ervas e especiarias em sua cozinha diariamente: manjericão, cardamomo, cebolinha, canela, cominho, curry, endro, alho, gengibre, orégano, cebola, tomilho, açafrão, zaatar

Leguminosas

Pelo menos 2 porções/semana; 1 porção = ½ xícara cozida: feijão preto, grão de bico (grão-de-bico), lentilha, tofu, feijão branco 

Sulforafano, Cogumelos, Algas Marinhas

Sulforafano (vegetais crucíferos), até 2 porções/dia; 1 porção = 1 xícara: brócolis, broto de brócolis, rúcula, repolho, couve-flor, couve de Bruxelas.

Dica profissional: “Mesmo uma pitada de mostarda em pó para crucíferos cozidos pode oferecer níveis anticancerígenos de sulforafano comparáveis ​​aos crus, eliminando a necessidade de pré-cortar para obter o máximo de benefícios à saúde” (Greger, 2014).

Inclua cogumelos em suas 8 porções/dia de vegetais. Dica profissional: certifique-se de cozinhar seus cogumelos. Algumas variedades contêm uma substância chamada agaritine, que pode ser cancerígena, mas é reduzida quando cozida (Bulsiewicz, 2020, 167).

As algas marinhas têm um grande teor de fibras e são uma excelente fonte de iodo e B12, que melhoram a saúde da tireoidea. Dica profissional: você pode comprar spirulina em pó e adicioná-lo aos seus smoothies sem gosto de peixe!

 

Eu sei que isso pode ser difícil de seguir 100% do tempo, mas não há problema em se entregar de vez em quando. A melhor regra é 95/5: 95% das vezes, estamos escolhendo alimentos que nos aproximam de nossos objetivos, e os outros 5%, você pode se tratar! O equilíbrio é a chave da vida.
  1. Limite de açúcar

Você já fez pão antes? Se você tiver, então você sabe que os três ingredientes básicos são farinha, açúcar e fermento. As leveduras se alimentam de açúcares e amidos. Eles transformam esse alimento em energia e liberam gás carbônico. Este processo é conhecido como fermentação.

 

O gás dióxido de carbono produzido durante a fermentação é o que torna uma fatia de pão tão macia e esponjosa. Isso é ótimo se estivermos fazendo pão, mas adicionar excesso de açúcar ao nosso intestino pode levar a disbiose intestinal grave e causar sintomas como inchaço, fazendo com que nos sintamos macios e esponjosos também. As bactérias ruins são aquelas que adoram se alimentar de açúcar e amido, e quanto mais as alimentamos, mais dominantes elas se tornam.

 

Tente limitar a quantidade de açúcar em sua dieta. Isso inclui doces, biscoitos e assados, bem como muitos alimentos embalados. Mesmo alimentos que parecem saudáveis ​​– como iogurte e molho de salada – geralmente são carregados com açúcares adicionados. Adquira o hábito de ler os rótulos dos ingredientes e escolha alimentos que contenham menos açúcar ou adoçantes naturais, como a estévia.

 

  1. Limite o álcool

Ooph, este pode não ser o que você quer ouvir. O álcool demonstrou “aumentar a permeabilidade intestinal e a liberação de endotoxinas bacterianas” (Bulsiewicz, 2020, 189). Níveis elevados de estradiol foram encontrados após o consumo de álcool e, como o álcool afeta nosso fígado e nosso intestino, o excesso de estrogênio não será excretado adequadamente.

 

  1. Mantenha-se hidratado

Você pode ficar 3 semanas sem comida, mas não mais que 4 dias sem água! 70% dos nossos corpos são compostos de água, por isso é seguro dizer que é muito importante para a saúde geral. A água não precisa ser chata; você pode adicionar um pouco de limão ou fazer infusões durante a noite com pepino, melancia ou hortelã. Quando se trata de água, é difícil beber demais. A maioria de nós pode ADICIONAR MAIS!

  1. Retire o lixo

Qual é a melhor hora para ir ao banheiro?Com toda a seriedade, “tirar o lixo” é essencial para o equilíbrio hormonal e a saúde intestinal. Com que frequência você faz cocô? Se sua resposta não for “todos os dias”, então você tem algum trabalho a fazer.

 

Cocôs diários são #metas. Uma evacuação diária ajudará seu corpo a se livrar de toxinas, equilibrar os hormônios e melhorar a saúde geral do intestino. Como saber se seus cocôs estão saudáveis? Vou dar algumas dicas (você deve marcar todas essas caixas):

 

 

  1. Estresse menos, durma mais

O sono é descanso para todo o corpo, incluindo o intestino. Quer saber a melhor parte? O sono é GRÁTIS! Sim, você não precisa pagar um centavo para dormir, então pegue-os zzzz.

 

Quer dormir melhor? O citrato de magnésio não é apenas bom para os movimentos intestinais, mas também ajuda a dormir melhor. Ganha-ganha. Comece a relaxar quando o sol se põe para permitir que o intestino produza melatonina para ajudá-lo a adormecer.

 

Além disso, você pode comer todas as coisas boas, fazer exercícios, dormir, etc., mas se você não estiver gerenciando seu estresse, estará estressando seu microbioma. O estresse afeta diretamente o equilíbrio da microbiota e aumenta a permeabilidade intestinal. O estresse é uma parte inevitável da vida para a maioria de nós, mas é importante tomar medidas para gerenciá-lo e reduzi-lo o máximo possível.

  1. Evite medicamentos desnecessários

No mundo de hoje, estamos sobrecarregados, desnutridos e supermedicados. A maioria dos medicamentos tem consequências não intencionais, incluindo danos ao nosso intestino. Agora, não estou dizendo para parar todos os medicamentos que você está tomando e sempre fale com seu médico de cuidados primários antes de interromper qualquer medicamento.

 Você sabia que mais de “70% dos antibióticos prescritos são medicamente desnecessários?” (Rom, 2021, 201). Uma rodada de antibióticos pode limpar uma espécie inteira de sua microbiota intestinal. Portanto, tome antibióticos apenas quando necessário. Também esteja ciente da carne que você está comprando e certifique-se de comprar carne que foi criada sem antibióticos.

 

 

Os melhores suplementos para a saúde intestinal

 Em suma, os suplementos destinam-se a complementar a dieta e o estilo de vida, não substituí-los. Abaixo está uma lista de suplementos comuns, mas sempre fale com seu médico de cuidados primários, nutricionista registrado, ou praticante de medicina funcional antes de iniciar os suplementos.

 

  • Vitamina D
  • Suplemento de ômega-3
  • Citrato de magnésio
  •  Multivitamínico/Pré-natal
  •  Probiótico

 

 

 

 
Referências
Briden, L. (2017, 15 de março). Seu intestino e seus hormônios – Causas das alterações hormonais femininas. Aplicativo Pista. Recuperado em 26 de novembro de 2021, de https://helloclue.com/articles/cycle-a-z/how-your-gut-affects-your-hormones
 Brighten, J. (2020). Além da pílula: um programa de 30 dias para equilibrar seus hormônios, recuperar seu corpo e reverter os efeitos colaterais perigosos da pílula anticoncepcional. Editora HarperCollins.
 Bulsiewicz, W. (2020). Abastecido com fibra: o programa de saúde intestinal à base de plantas para perder peso, restaurar sua saúde e otimizar seu microbioma. Grupo de Publicação Pinguim.
 O Estroboloma: A maneira fascinante como seu intestino afeta seus níveis de estrogênio. (n.d.). Aviva Romm MD. Recuperado em 26 de novembro de 2021, de https://avivaromm.com/estrobolome/
 Greger, M. (2014, 15 de agosto). Segunda estratégia para cozinhar brócolis. NutritionFacts.org. Recuperado em 26 de novembro de 2021, de https://nutritionfacts.org/video/second-strategy-to-cooking-broccoli/
 Saúde Intestinal e Hormônios. (n.d.). Leigh Ann Scott MD, Las Colinas, Irving TX. Recuperado em 26 de novembro de 2021, de https://www.leighannscottmd.com/additional-testing/gut-health-and-hormones/
 Como sua saúde intestinal afeta sua menstruação – menstruação e probióticos. (2021, 17 de março). Saúde Simples. Recuperado em 26 de novembro de 2021, de https://www.simplehealth.com/blog/your-gut-health-is-important-period
 Romm, A. (2021). Inteligência Hormonal: O Guia Completo para Acalmar o Caos Hormonal e Restaurar o Plano Natural do Seu Corpo para o Bem-Estar. Editora HarperCollins.
 Estresse e seu intestino – Sociedade Gastrointestinal. (2020, 23 de julho). BadGut.org. Recuperado em 26 de novembro de 2021, de https://badgut.org/information-centre/a-z-digestive-topics/stress-and-your-gut/Vitti, A. (2019, 22 de agosto). A relação entre a saúde intestinal e seus hormônios Flo Viver. Recuperado em 26 de novembro de 2021, de https://www.flliving.com/guthealthhormones/
 

Deixe um comentário

Os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados

Yuper App

Baixe o Yuper App e tenha acesso a conteúdos exclusivos escrito por nossas médicas parceiras e interaja com a comunidade. Disponível na app store e play store.

Pesquise no nosso site

Cesta

Sua cesta está vazia no momento :(

Carregando Ambiente Seguro